João Gomes Cardoso Barreto(Foto: César Cabral

O Município de Maruim perdeu um dos seus filhos ilustres. Faleceu neste sábado (9), aos 90 anos de idade, em Aracaju, e com causa de morte desconhecida, 
João Gomes Cardoso Barreto, que ocupou diversos cargos públicos em Sergipe. O sepultamento será à tarde, no Cemitério Santa Izabel, em cerimônia reservada aos familiares em razão do Decreto estadual nº 40.588/20, que não permite aglomeração como medida preventiva ao coronavírus (COVID-19). 

João Gomes Cardoso Barreto, nasceu em Maruim/SE, no dia 8 de abril de 1930. Filho de Bráulio Menezes Barreto e Cecília Cardoso Barreto, era casado com D. Olga Andrade Barreto e não tinha filhos. Apesar de ter iniciado sua vivência escolar em Maruim, com a professora Leopoldina Batista de Almeida, mudou-se cedo para Aracaju, onde estudou nos colégios Tobias Barreto e Salesiano. Fez o curso Técnico em Contabilidade pela Escola Técnica do Comércio Tobias Barreto e em 1976, conseguiu seu diploma de nível superior na primeira turma de Administração da então Faculdade Tiradentes, hoje Universidade Tiradentes (Unit).

Um homem visionário, e que gostava de trabalhar, ingressou no seu primeiro emprego aos 16 anos de idade, no escritório da firma Irmãos Brito, em Aracaju, e depois na Ribeiro & Cia e José Carlos Andrade, um escritório de representações. Uma das suas paixões, o radioamadorismo, o levou a assumir a Direção Comercial da Rádio Liberdade de Sergipe, por indicação do senador Leandro Maciel ao proprietário da emissora, Albino Silva da Fonseca. Foi o responsável pela aquisição do Transmissor junto à Baygthon e Cia. Juntamente com José Raimundo Silva (irmão de Raymundo Luiz), Diretor Artístico, colocou a ZYM-20 para funcionar, em 1952.

João Barreto carrega em sua “bagagem” uma vasta experiência pública Sua primeira experiência ocorreu na Assembleia Legislativa de Sergipe, através do cargo de Redator de Debates, oferecido pelo deputado estadual e presidente da Assembleia Legislativa, Francisco de Souza Porto, pai do médico Lauro Porto e avô do desembargador Roberto Porto.

Na Prefeitura de Aracaju, assumiu o cargo de Secretário de Administração, na gestão do então prefeito Cleovansóstenes Pereira de Aguiar (1971-1975) e na gestão de João Alves Filho (1975-1979). Na década de 80, Barreto ocupou diversos cargos no Governo de Sergipe, onde ocupou os cargos de Chefe de Gabinete do vice-Governador Djenal Tavares de Queiroz; foi secretário particular, secretário-chefe do Gabinete Civil, secretário de Governo e secretário de Educação na primeira gestão do governador João Alves Filho (1983-1987). Por sua lealdade, foi indicado ao cargo de secretário particular do ministro do Interior, João Alves Filho, em Brasília. No segundo governo de João Alves (1991-1994), assumiu novamente o cargo de secretário de Educação. Na terceira gestão de João Alves Filho (2003-2006), no Governo do Estado, foi membro de conselhos de administração do Banese, Ipes, Instituto Parreiras Horta e Detran.

Um ser atuante em diversos meios, João Barreto era sócio-benemérito do quadro social do Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe (IHGSE); Era filiado ao Conselho Regional de Administração de Sergipe (CRA/SE), Associado do Rotary Clube de Aracaju e vice-Presidente da 3ª região (Paraíba, Pernambuco, Alagoas e Sergipe) da Academia Nacional de Economia (Gestão 2010-2014).


CONDECORAÇÕES


Em 1937, João foi Guarda de Honra na chegada dos restos mortais do Barão de Maruim. O ato foi parte das comemorações pelo primeiro centenário da Paróquia Senhor dos Passos.
Recebeu a Medalha Serigy na Ordem de Comendador, da Prefeitura de Aracaju, outorgada pelo Prefeito José Carlos Teixeira.
Foi condecorado com a Medalha do Mérito Aperipê, no Grau de Comendador, do governador João Alves Filho.
João Gomes Cardoso Barreto foi condecorado com a Medalha da Ordem de Rio Branco, no grau de Comendador pelo Decreto do Presidente José Sarney, em 14 de abril de 1989.

Por Keizer Santos com informações do portal Radar Sergipe




Foto: Arquivo/Radar Sergipe

Foto: Arquivo/Radar Sergipe

Foto: Inventário Cultural de Maruim

Fonte: TJ/SE

0 Comentários